< Blogs

Ambiental

Dobrar a curva da sustentabilidade: o que é e como fazer?

Esse movimento não é simples, move-se a passos lentos e depende de diversos fatores, incluindo nossa capacidade de ação coletiva, entre outros; saiba mais

Blog produzido por Flávia Marcilio e José Davi Fidalgo

Você sabe o significado de “dobrar a curva” quando se trata de mudanças globais e desenvolvimento sustentável?

“Dobrar a curva da sustentabilidade” é um termo utilizado no sentido metafórico e significa aproveitar o potencial transformador das tecnologias exponenciais para transformar, rapidamente, em vários aspectos da sociedade com vistas a um futuro (próximo) mais sustentável e equitativo.

Esse movimento não é simples, move-se a passos lentos e depende de diversos fatores, incluindo nossa capacidade de ação coletiva, desenvolvimento tecnológico e mudanças nos sistemas socioeconômicos.

Os maiores desafios são:

  1. Lentidão da movimentação em termos de políticas públicas (em especial no Brasil): Para dar sustentação às iniciativas internacionais e privadas em termos de redução e regulação do mercado, iniciativas públicas não são apenas necessárias, mas essenciais para dar segurança jurídica para tal mudança. Parece-me que as mudanças legislativas e políticas serão decorrência de demandas do mercado e das exigências da sociedade.
  2. Redução das emissões de gases do efeito estufa: Reduzir drasticamente as emissões exige uma transição energética global para fontes renováveis, mudanças nos sistemas de transporte e agricultura, redução do desmatamento e investimentos em tecnologias de captura e armazenamento de carbono.
  3. Perda de biodiversidade: A extinção de espécies está acelerando em um ritmo alarmante, ameaçando a estabilidade dos ecossistemas e a segurança alimentar. Combater essa tendência exige ações para proteger habitats naturais, reduzir o uso de pesticidas e agrotóxicos, e promover práticas agrícolas sustentáveis.
  4. Resíduos: A geração de resíduos, especialmente plásticos, está aumentando exponencialmente, poluindo o meio ambiente e impactando a saúde humana. Reduzir o volume de resíduos exige uma mudança na cultura de consumo, práticas de logística reversa, adoção de modelos de economia circular, e investimentos em tecnologias de reciclagem e reuso.

Por outro lado, há ferramentas que podem nos reconduzir para o caminho do desenvolvimento sustentável:

  • Avanços tecnológicos: As tecnologias exponenciais têm o potencial de transformar negócios e sociedade. Elas podem melhorar a eficiência, reduzir custos e criar soluções inovadoras para desafios sustentáveis. Por exemplo, a energia solar, a otimização de recursos, desenvolvimento de matérias-primas inteligentes e a gestão inteligente de resíduos são áreas onde essas tecnologias podem dobrar a curva em direção a um futuro mais sustentável.
  • Conscientização Social e Cooperação Global: crescente awareness sobre os desafios da sustentabilidade está impulsionando a demanda por mudanças. Essa mudança de paradigma é essencial para pressionar governos e empresas a tomarem medidas mais ambiciosas. Compreender o impacto dessas tecnologias e promover sua adoção responsável. Trabalhar em conjunto para aplicar essas inovações de maneira ética e equitativa.
  • Cooperação Global: A comunidade internacional está cada vez mais consciente da necessidade de cooperação para enfrentar os desafios globais. Acordos internacionais, como o Acordo de Paris, podem ser ferramentas importantes para promover a ação conjunta. Há também a necessidade de financiamentos para políticas de desenvolvimento sustentável que devem ser adotadas pelos países desenvolvidos, não apenas pela sua colaboração para o atual cenário de emergência climática, mas também para promoção global da justiça social, a equidade e a proteção ambiental.

Acredito que o ser humano deverá dobrar a curva, mas entendo que as mudanças necessárias partirão da iniciativa privada, que deverá conduzir e aceitar seu protagonismo. Não vejo iniciativas públicas eficazes em direção a tal mudança. Parece-me que as mudanças legislativas e políticas serão decorrência de demandas do mercado e das exigências da sociedade. Para tanto, entendo nas seguintes estratégias:

Para alcançar o desenvolvimento Economicamente Sustentado (Eficiente)

Isso significa que as ações devem ser viáveis economicamente, garantindo crescimento e prosperidade sem esgotar recursos ou prejudicar futuras gerações. Para dobrar a curva, é necessário investir em práticas econômicas que minimizem o desperdício e promovam a eficiência.

Para alcançar o desenvolvimento Socialmente Desejável (Includente)

O desenvolvimento sustentável deve beneficiar a sociedade como um todo, incluindo grupos marginalizados. Isso envolve a promoção da igualdade, acesso à educação, saúde, emprego e justiça social. Para dobrar a curva, é fundamental considerar o bem-estar de todas as pessoas.

Para alcançar o desenvolvimento Ecologicamente Prudente (Equilibrado)

Aqui, o foco está na preservação do meio ambiente e na utilização responsável dos recursos naturais. É necessário encontrar um equilíbrio entre o crescimento econômico e a conservação ambiental, evitando danos irreversíveis ao planeta. Para dobrar a curva, devemos adotar práticas que protejam ecossistemas e reduzam nossa pegada ecológica.

Flávia Marcilio e José Davi Fidalgo

Flávia Marcilio atua há mais de 30 anos com Direito Ambiental, Sustentabilidade e Emergência Ambiental, com consultivo e judicial para todos os setores, com ênfase em projetos de Agronegócio, Investimentos Florestais, Mineração e Negócios Imobiliários.

José Davi Fidalgo tem experiência com Direito Ambiental e Imobiliário, atendendo indústrias, instituições financeiras e o agronegócio na obtenção de licenças, na estruturação de fundos imobiliários e em operações no Mercado de Carbono.

Cadastre-se em nossas Newsletters

Últimas notícias

Para mais informações: